Notícias

APMP participa da campanha internacional “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres”

Sede de Curitiba está iluminada em laranja para apoiar o fim da violência de gênero
4 de December de 2020

A APMP, por meio da Diretoria de Mulheres, está apoiando a Campanha Internacional da Organização das Nações Unidas (ONU) denominada “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres”. Entre as iniciativas da Associação está a iluminação da sede de Curitiba na cor laranja. A iluminação iniciou no dia 25 de novembro e termina no dia 10 de dezembro de 2020. Com esta ação, a Associação reafirma seu compromisso e seu engajamento para a efetiva erradicação de todas as formas de violência contra as mulheres, além de mostrar solidariedade para com as vítimas de abuso. A cor laranja, adotada como símbolo da campanha pela ONU, foi escolhida em razão de ser uma cor vibrante e otimista que representa um futuro livre de violência.

A mobilização anual começou no ano de 1991, quando mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (CWGL), elaboraram a campanha dos 16 Dias de Ativismo com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo. O período escolhido para a campanha se inicia no dia 25 de novembro, declarado como o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e termina no dia 10 de dezembro, no dia Internacional dos Direitos Humanos, vinculando a luta pela não violência contra as mulheres e a defesa dos direitos humanos.

No Brasil, a campanha ocorre desde 2003, e é chamada de 16+5 dias de ativismo, pois o início foi antecipado para o dia 20 de novembro, incorporando, também, o Dia da Consciência Negra, cuja data é dedicada à reflexão sobre a inserção da pessoa negra na sociedade brasileira. A importância da inclusão do Dia da Consciência Negra no calendário da campanha dos 16 dias parte da necessidade de se evidenciar a tripla discriminação que sofre a mulher negra, que se baseia numa opressão de gênero, raça e classe social e também como reflexão sobre a necessidade de um enfrentamento efetivo baseado em ações que contemplem as mulheres em sua diversidade.

Além da iluminação, nesses 16+5 dias de ativismo, a APMP realizou o lançamento do site de mulheres edição especial Mês da Consciência Negra, no dia 20 de novembro, abordando o tema do racismo e da igualdade racial pela perspectiva das integrantes negras do Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR) (confira aqui). 

Ainda, também no mês de novembro e integrando as iniciativas da APMP, a Diretoria de Mulheres protocolou junto a PGJ o requerimento nº 14674/2020 (acesse aqui) propondo uma série de medidas para que se efetivem programas e ações sobre equidade de gênero no MPPR, sempre com vistas para contribuir com a construção de uma Instituição cada vez mais democrática e comprometida com os valores constitucionais.

Por fim, a ONU Brasil, neste ano de 2020, como ação concreta nos 16+5 dias de ativismo, lançou a campanha nacional “Onde Você Está que Não me Vê?’, com o conceito Somos Nossa Existência. 

A campanha tem o objetivo de dar visibilidade às mulheres e meninas vítimas de violência antes e durante a pandemia da COVID 19, além de enfocar na diversidade das mulheres, seu lugar de fala, território, e na prevenção e eliminação de diferentes formas de violências, especialmente agravadas pela pandemia. Toda ação é inspirada na canção “O que se Cala”, composição de Douglas Germano e interpretação de Elza Soares (ouça aqui a música). 

Saiba mais aqui sobre a campanha de 2020 da ONU. 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.